Caixão foi encontrado no quintal de uma casa depois de 141 anos enterrado. Essa descoberta deixou todos curiosos.

Ericka Karner em São Francisco, nos Estados Unidos encontrou um caixão de coberto de bronze, chumbo e vidro em maio de 2016. Essa descoberta deixou todos os moradores do bairro assustados e curiosos.


Quando a descoberta foi feita, uma equipe de notícias tentou identificar o que tinha dentro do caixão. Depois de muito trabalho, eles descobriram que tinha uma menina vestida de branco, com uma rosa vermelha do lado, algumas folhas de eucaliptos e um cheiro árduo de lavanda.


Depois de muita investigação, foi comprovado, então, que a garotinha tinha morrido com menos de dois meses de vida, e que a morte ocorreu em outubro de 1876. A causa da morte foi apontada como uma possível desnutrição causada por uma infecção. O nome da menina era Edith Howard Cook, filha de um casal rico na época.

Além de Edith, outras 30.000 pessoas tinham seus caixões  no  cemitério de Odd Fellows. Porém, maioria dessas pessoas foram transferidas para uma cidade vizinha chamada Colma, em 1920. O estranho é que não há explicações ainda sobre o porquê deixaram o corpo da menina para trás.

Depois de analisarem vários documentos do cemitério, os pesquisadores localizaram um parente vivo com a mesma mostra de DNA de Edith, era um senhor chamado Peter Cook. Comprovaram, assim, a identidade da pequena garota.

A dona do local, onde o caixão foi encontrado, foi informada que a responsabilidade sobre o túmulo era dela, porque o caixão se encontrava numa propriedade privada. A organização que investigou o caso, então, ajudou a montar um velório e um novo enterro da pequena. Mais de 100 pessoas, pertencentes de diversos estados, compareceram no velório.

 


LEIA TAMBÉM
loading...

Comentários

Compartilhar